sábado, 4 de fevereiro de 2012

DESASSOCIADO






O amor e o sexo!
O suor e o reflexo
de um firme e forte amasso!

A minha imagem
lembra um selvagem,
que caçou o amor até o cansaço!

A porta aberta me irrita!
A rota incerta me agita!
O sucesso sucumbe o fracasso!

Tudo caminha tão certo,
que deve ser decreto!
Concreto deixa o abstrato escasso!

Jogo fora o abstrato, escolho o concreto!
Na minha oração, sou sujeito e não objeto indireto!
Hoje enquadro meu passo sem compasso!

Vivo sem reunião, sem compromisso!
Amar, rezar e comer é meu serviço!
Assim, satisfação não devo no meu pedaço!

Não preciso usar uniforme, camiseta ou avental!
Na comunidade do eu só, sem regras e tal,
sou maioral e presidente do meu espaço!

Botucatu, 20/09/2005
Publicado no Recanto das Letras em 28/06/2013

Um comentário:

noslen ariexiet disse...

Um grande abraço!
Faço regaço
no meu cangaço!
Se fugir, eu laço!
Se ficar, eu traço!
Fatio em pedaços!
Não tenho embaraço!
Desconheço o terraço!
Tirei fora meu pescoço e meu braço!
Um forte abraço!